sexta-feira, 23 de junho de 2017

NESTE MANDATO VOU-ME EMPENHAR



Todos se lembrarão e, não lembrando, fácil será compulsar papeis onde ficaram escritas declarações, que o actual e ainda presidente União (desunida quantum satis) das freguesias C. S.Jorge / Pigeiros declarou altaneiramente que o grande objectivo do mandato que iniciava (e está a acabar) era ver concretizada a construção do hotel que teria como empreendedor um cidadão da vizinha Lobão. Empenhar-se-ia, inclusive, o autarca na colaboração intensa para o rápido deferimento dos projectos de arquitectura e especialidades. Na sanha de andar rápido, nem se apercebeu de que o projecto, não cabendo no terreno posto em hasta, ao invés de encolher o projecto, estendeu-o por terreno alheio. E porque era a sua bandeira que hasteou alto, de modo escondido, enrolou-a e não fala mais nisso.

Neste processo haverá algumas questões a ser respondidas, sendo que a primeira é a certificação de se houve, alguma vez, intenção de se erigir ali um hotel de 4 estrelas. Será só para a lavra do investidor, mas é de perguntar se chegou a haver estudo económico para aquilatação da viabilidade. Ou era sabida a inércia da Câmara e pensou-se tão somente em conseguir um terreno em zona nobre ao preço de inóspito? Que garantias deu a Câmara em relação à remoção da Fabruima e da casa contígua a nascente? Havia projecto definido para a acessibilidade ao empreendimento? Tendo-se constatado que o terreno contratado era curto, havia a garantia de cedência de mais? Mais quanto e a que preço?

Como eu gostaria de ver aquelas casas restauradas e repostas integralmente com o seu aspecto exterior!
LOCAL no CF de 12 Maio 2014: NOVO HOTEL DEVE ESTAR PRONTO EM 2016




Para a campanha que se avizinha, esta bandeira está rota e ver-se-á se ainda há pano para bandeiras.
E vai daí quem sabe nos venha indicar a que emissário estão ligados os esgotos das habitações da rua Rio Uíma e também o destino dos efluentes sujos saídos das Termas. E tentar saber se com os esgotos a cair directamente no rio, há lugar a pagamento de taxa de esgotos. É claro que um presidente de Junta nada tem a ver com os esgotos, mas tem o dever de conhecer a rede e denunciar, publicamente, quando tudo vai cair ao emissário de céu aberto e que devia ser limpo e bem limpo. Não seria uma bandeira, mas poderia assumir-se como um pendão.

José Pinto da Silva

A (nova) CANDIDATA SOB A SIGLA PS


Ainda que nada tenha a ver quer com a abordagem e posterior convite, nem ninguém me tenha solicitado qualquer opinião prévia, manifesto a minha entusiástica simpatia pela escolha e fico bem contente, enquanto inscrito no PS e enquanto esperançado numa mudança.


Acho que a D. Elsa Costa terá já formalizado a aceitação da sua candidatura, dentro daqueles formalismos que são habituais e, quase não tenho dúvidas, terá já começado a compilar elementos, a colher informações a inteirar-se do que está a fazer mais falta, para elaborar um plano de acção que cative as pessoas de S. Jorge e de Pigeiros.


Pela consideração que sabe eu ter por ela, saberá receber as críticas que forem oportunas e terá a certeza de que NUNCA deixarei de criticar, se houver razões para tal. Como deixarei a minha opinião se, para tal, for solicitado.


Formulo VOTOS de sucesso.

José Pinto da Silva

QUAL SERIA MAIS TRÁGICO?


Acho que ao jeito de provocação, em função de alguns escritos que tenho protagonizado, colocaram-me a questão:
Morreram 64 pessoas, seres humanos de diversas idades, incluindo diversas crianças e pergunto: Se, por absurdo, fosse possível substituir estas perdas pelo desaparecimento de 6.400 cães, ou cães e gatos, qual perda seria mais trágica? Eu respondi logo, sem pestanejar: Mesmo que a troca fosse por 64.000, eu pouparia os 64 seres humanos..
Deu-me a entender que seria esta a resposta que eu daria. E fim de papo.
Mas... a questão até parece colocável...

José Pinto da Silva

quarta-feira, 21 de junho de 2017

FOI ESCRITO HÁ 66 ANOS. SE FOSSE AGORA ASSENTAVA COMO UMA LUVA


"Quando te deres conta de que para produzir necessitas obter a autorização de quem nada produz;
Quando te deres conta de que o dinheiro flui para o bolso daqueles que traficam não com bens, mas com favores;
Quando te deres conta de que muitos na tua sociedade enriquecem graças ao suborno e influências, e não ao seu trabalho, e que as leis do teu país não te protegem a ti, mas protegem-nos a eles contra ti,

Quando enfim descubrires ainda que a corrupção é recompensada e a honradez se converte num auto-sacrificio, poderás afirmar, taxativamente, sem temor de equivocar-te, que a tua sociedade está condenada. “
AYN RAND (1950)
TEM QUE MUDAR! TEMOS QUE MUDAR!

José Pinto da Silva

O LEITE DE VACA FAZ MAL?


(Outro tanto se poderia dizer dos leites de ovelha, de cabra ou de burra).


Alguma gente, onde se aglomeram naturistas, ambientalistas, vegetarianos, veganos (e todos os que alinham na defesa do lóbi da soja, a propósito da mentira de que o homem é o único animal que em adulto toma leite, dizem que o leite (de vaca) faz mal à saúde e que a sua toma é contra natura. Esquecem-se do dito muito usado que afirma que alguma gente é por dinheiro "como o gato por leite". E gostaria de ver o primeiro cão a rejeitar a toma de leite. A menos que lhe tenham esfregado algo nas papilas gustativas.

Isto porque ouvi o Prof. António Vaz Carneiro, Professor na Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa a dizer absolutamente o contrário e a aconselhar: "Se não tem qualquer incompatibilidade, qualquer doença específica que possa ser agravada pelo leite, (como podia ser pelo vinho), tome leite à vontade, porque contém um conjunto de nutrientes muito úteis para a manutenção da saúde.
(Curiosamente, eu não tomo... exactamente porque me afecta alguns órgãos. Mas eu sou doente.)


José Pinto da Silva

O TOURO SENTE DOR NA LIDE?


Escrevi, há dias, a propósito de touradas, que o touro de lide (o único hervíboro que, sendo atacado, não só não foge, como ataca o atacante) se auto anestesia, não sentindo dor ao ser picado. Claro que me suportei em escrito de cientista /investigador da área da veterinária, da Universidade Complutense de Madrid.
Alguns, dos soi disants anti tourada, "soltaram-me os cães" apodando-me de desumano, de cruel... etc., alguns de forma mesmo malcriada. Mas tudo bem.
Esta semana estive a ler numa revista um trabalho extenso sobre animais e chamou-me a atenção um capítulo de título: "COMPORTAMENTOS DE AUTO CURA".
E parece que posso concluir que AS OVELHAS devem ter frequentado a universidade para aprenderem a diagnosticar infecções provocadas por nematódios e procurar o respectivo remédio curativo. E os ELEFANTES também devem ter corrido os bancos escolares para aprenderem a aperceber-se de que estão próximos de parir e procurar umas folhas que induzem e apressam o parto. E, além de outros animais, uma que outra espécie de MACACO deve por lá andado a consumir professores para aprender a procurar medicação para aumentar ou diminuir a fertilidade.
A auto anestesia é, a menos que me provem o contrário, uma forma de auto medicação e auto cura. Ou não...?!

José Pinto da Silva

O CÃO DO SEM ABRIGO


Contaram-me um dia destes. Não sei se é original, ou ecoada. Para mim é nova e novidade.
Um homem de rua, vulgo sem abrigo, muito introvertido, não se relacionava praticamente com ninguém e tinha como companhia inseparável um cão. Não me disseram se de alguma raça ou se ou rafeiro cruzado em muitos progenitores.
O homem, muito pobre, quanto só, cuidava muito pouco da sua higiene e quase só quando puxado ia a um banho público. E... se ele se descuidava a si próprio, mais descuidaria do trato dado ao cão. Só o alimentava, primeiro que a si próprio, e com a frugalidade a tender para a fome. E então quanto à higiene...! Decerto nem lhe ocorria.
Eis que certo dia uma brigada dos "amigos dos animais" abeiraram-se da dupla de amigos e disseram ao homem que não podia ter consigo o cão assim tão descuidado, que era uma "desumanidade" deixar andar o cão assim ao desleixo e que, como assim, teriam que o levar para acoitar num canil onde dele tratassem bem. O homem que já teria chorado quase tudo na vida, chorou alto e implorou que lhe não levassem o seu companheiro, o seu único companheiro. Mas ... os amigos animais, verdadeiramente SE ANIMALIZARAM, não pensaram no humano que desesperadamente sofreu com a separação, porque BRONCOS não imaginam o que pode ter sofrido o cão ao ter retirado do amigo, e, sobretudo alhearam-se do da sua espécie. Ou talvez não... porque quem assim age, em nome do bem estar animal, NEM ANIMAL É. É um gajo....

José Pinto da Silva